Gestão da propriedade intelectual no processo de incubação de empresas da região centro-oeste

Authors

  • Jardel Pauber Matos e Silva Instituto Nacional da Propriedade Industrial e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
  • Eduardo Winter Instituto Nacional da Propriedade Industrial.

DOI:

https://doi.org/10.7198/geintec.v6i2.896

Abstract

Incubadoras de empresas são habitats de inovação dinâmicos capazes de fomentar empreendimentos, dispondo de infraestrutura gerencial, intelectual e física adequada, de maneira a propiciar ao empreendedor (nascente ou em crescimento) estabilidade inicial para gerar emprego e renda impactando positivamente no desenvolvimento econômico e social no mercado em que se encontra inserido. Inovar, empreender e proteger a produção tecnológica contribui para o desenvolvimento econômico e social. Assim, este artigo tem como objetivo analisar a gestão da propriedade intelectual gerada no processo de incubação de empresas (compreendido as fases de incubação e graduação) nas incubadoras da Região Centro-Oeste brasileira. Com os dados obtidos na pesquisa verificou-se que a relação entre o número de empreendimentos incubados (e graduados), e a proteção de ativos de PI ainda é muito baixa na Região. Fatores como a falta de conhecimento dos gestores, além de pouco incentivo para a proteção e ausência de NIT em Universidade foram considerados relevantes para o quadro de tal escassez.

Author Biographies

Jardel Pauber Matos e Silva, Instituto Nacional da Propriedade Industrial e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Advogado. Mestrando em Propriedade Intelectual e Inovação pelo INPI. Presidente da RedeMS de Inovação. Gerente da Pantanal Incubadora Mista de Empresas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Eduardo Winter, Instituto Nacional da Propriedade Industrial.

Doutor em Ciências pela Universidade Estadual de Campinas (2007). Pesquisador em Propriedade Industrial no Instituto Nacional da Propriedade Industrial(INPI). Professor da Academia do INPI.

References

AMORIM, J. E. A propriedade intelectual no processo de incubação de empresas. 2006. 30f. Monografia (Faculdade de Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG. Disponível em: <http://www.ufjf.br/ep/files/2009/06/tcc_jan2007_juliana-amorim.pdf> Acesso em: 28/05/2014.

ANPROTEC. Estudo, Análise e Proposições sobre as incubadoras de Empresas no Brasil – relatório técnico. Brasília: ANPROTEC, 2012.

ARANHA, J. A. S. Modelos de Incubadoras. infoDev Incubator Support Center. Brasília: iDISC, 2003.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Boletim Regional. Brasília. 2010. Disponível em:

<http://www.bcb.gov.br/pec/boletimregional/port/2010/10/br201010P.pdf.> Acesso em: 24/03/2016.

CHERUBINI, E. Propriedade Intelectual como ferramenta da gestão da tecnologia em Universidades. Revista ADMpg Gestão Estratégica, Ponta Grossa, v. 1, n. 1, p.85-90, 2008.

COOPER, A. C. The role of incubator organizations in the founfing of growth-oriented firms. Journal of Business Venturing 1, 75-86, New York: Elsevier Science Publishing, 1985.

DORNELAS, J. C. A. Planejando incubadoras de empresas – Como desenvolver um plano de negócios para incubadoras de empresas. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

ETZKOWITZ, H. From knowledge flows to the triple helix: The transformation of academic-industry relations in the USA. Industry and Higher Education, London, v. 10, n. 6, p. 337-342, dez. 1996. Disponível em: <http://eric.ed.gov/?id=EJ535250>. Acesso em 09/09/2015.

ETZKOWITZ, H; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from National System and “Mode 2” to a Triple Helix of university-industry-government relations. Research Policy, 29(2), p. 109-123, 2000.

FIATES, G. G. S. et al. Fatores fundamentais para o desempenho de incubadoras. In: XIII Seminário em Administração – SEMEAD. Anais. São Paulo, SP, 2010.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A economia da Inovação Industrial. Clássicos da Inovação. Campinas: Editora Unicamp, 2008.

IBGE. Produto Interno Bruto a Preços Correntes e Produto Interno Bruto per capita segundo as Grandes Regiões, as Unidades da Federação e os Municípios 2010-2013. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Pib_Municipios/2010_2013/xls/PIBMunicipal_2010_2013.xls>. Acesso em 25/03/2016.

KRAEMER, M. E. P. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva. Gestiopolis, 2004. Disponível em: http://www.gestiopolis.com/recursos3/docs/ger/capintel.htm> Acesso em: 12/10/2015.

IBGE. Estimativas da População Residente no Brasil e Unidades da Federação. Disponível em: < ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2014/estimativa_dou_2014.pdf>. Acesso em 25/03/2016.

LUZ, A.A.; et al. Habitats de inovação e a sinergia do potencial acadêmico, tecnológico e inventivo em Ponta Grossa, Paraná, Brasil. Revista Espacios, Vol. 35, n.6. 2014.

MCTI. O seminário “A Gestão da Propriedade Intelectual pelas Instituições de Fomento a Ciência, Tecnologia e Inovação”. Grupo de Trabalho de Assessoramento Interno em Propriedade Intelectual do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. 2013.

MELLO, J. M. C. A Abordagem Hélice Tríplice e o Desenvolvimento Regional. II Seminário Internacional Empreendedorismo, Pequenas e Médias Empresas e Desenvolvimento Local. Rio de Janeiro, RJ, Brasil 02 a 04 de agosto de 2004. Disponível em: <http://www.itoi.ufrj.br/seminario/anais/Tema%201-2-MELLO.pdf> Acesso em: 15/04/2015.

NBIA. Benchmarking of Business Incubators. Centre for Strategy & Evaluation Services. 2002.

OCDE. MANUAL DE OSLO. Terceira Edição. Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Rio de Janeiro: Finep, 2005.

PEREIRA, L. B. Processo empreendedor de spin-offs universitárias – principais fatores determinantes. Dissertação. (Mestrado em Administração) – Centro de Pós-graduação e Pesquisas em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

RASOTO, V. I. Estrutura de referência para incubadoras pertencentes a rede de habitats de inovação tecnológica e vinculadas a instituições de ensino. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

SANTOS, R. F.; SCHLINDWEIN, M. M. Análise de Indicadores de Desenvolvimento da Região Centro-Oeste do Brasil. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 12, n. 1, p. 936-946, jan./jul. 2014.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

SEBRAE. Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. Brasília. 2014.

SENHORAS, E. M. As redes do desenvolvimento econômico e social no sistema de ensino superior brasileiro. Liinc em Revista, v.4, n.1, p. 138-153. Rio de Janeiro, RJ, 2008.

SPOLIDORO, R. et al. (sixty-two co-authors) New models for Science and Technology Parks in response to the growing role of the cities as Innovation Habitats: perspectives from South America, Proceedings of the 30th World Conference on Science and Technology Parks, International Association of Science Parks and Areas of Innovation - IASP, Recife, Brazil, 2013, Tradução em português por SPOLIDORO, R., 2014.

SPOLIDORO, R. Habitats de inovação e empreendedores: agentes de transformação das estruturas sociais. TECBAHIA. Revista baiana de tecnologia. v. 14. n. 3, p. 9-21. 1999.

VERGARA, S. C. Métodos de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2005.

VILLELA, Taís Nasser. A gestão da propriedade intelectual gerada no âmbito do processo de incubação de empresas na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC RJ. 174f. Dissertação (Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Inovação) – Academia de Propriedade Industrial, Inovação e Desenvolvimento. Instituto Nacional da Propriedade Industrial, Rio de Janeiro, 2011.

SOUZA, D. L. O. de. Ferramentas de gestão de tecnologia: um diagnóstico de utilização nas pequenas e médias empresas industriais da região de Curitiba. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia. Curitiba: CEFET-PR, 2003.

Published

2016-06-14

Issue

Section

Engineering and Technology