Comparativo de indicadores e computação natural como alternativa para prospecção de patentes em nanociências

Rogério Almeida Meneghin, Ana Eleonora Almeida Paixão, Andréa Márcia Detomi

Resumo


Os ativos intangíveis são aqueles que garantem diferenciação e retornos econômicos exponenciais no mundo empresarial. Nesse cenário as organizações líderes têm como prioridade o foco em suas estratégias competitivas e de sustentabilidade no sentido de alinhar e otimizar a aplicação dos direitos de propriedade intelectual para conquista de mercados cada vez mais promissores. Tal realidade vem de encontro a vários aspectos, sobretudo os de soberania nacional bem como os de estabelecimento de barreiras tecnológicas. Para avaliar este problema, basta observar o crescente número de patentes depositadas no Brasil por grupos internacionais nas áreas de nanociências, quais sejam: nanotecnologia, nanobiotecnologia, nanomateriais, MEMS, NEMS, nanofluidos, nanoagro e nanoeletroquímico para conversão e armazenamento de energia.  Esses indicadores são trilhas que apresentam os nexos entre os fenômenos científicos, tecnológicos, econômicos, sociais, políticos e culturais sobre uma “realidade” que pretendem representar ou emular. Ou seja, os titulares das patentes supracitadas são não-residentes que estão a “dominar” o mercado nacional diante de nossos olhos e, assim sendo, políticas públicas devem ser criadas no sentido de corrigir esta distorção. O presente trabalho apresenta uma reflexão sobre o tema em tela e destina-se a ser um roteiro inicial e exemplificativo (não exaustivo) para elaboração de políticas de inovação e salvaguarda de conhecimentos sensíveis, bem como uma proposta para o desenvolvimento de um sistema informacional de apoio da decisão, por meio da computação natural, para análise, modelagem e uso estratégico de indicadores de patentes em nanociências.


Palavras-chave


nanoscience; nanotechnology; nanobiotechnology; nanomaterials; patent; natural computing.

Texto completo:

PDF

Referências


CASTRO, Leandro Nunes de. Computação Natural – Uma jornada ilustrada. Editora Livraria da Física: São Paulo, 2010, 266 páginas.

COMISSÃO EUROPEIA. Comunicado de imprensa: O que são nanomateriais? Comissão Europeia abre novos caminhos com uma definição comum, 2011. Disponível em:

http://europa.eu/rapid/pressReleasesAction.do?reference=IP/11/1202&format=HTML&aged=0&language=PT&guiLanguage=en. Acesso em 20/03/2012.

CÔRTES, Sérgio da Costa; PORCARO, Rosa Maria; LIFSCHITZ, Sérgio. Mineração de Dados - Funcionalidades, Técnicas e Abordagens (Artigo). Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: ftp://obaluae.inf.puc-rio.br/pub/docs/techreports/02_10_cortes.pdf. Acesso em: 25-03-2009.

HOSS, Osni; ROJO, Cláudio Antonio; GRAPEGGIA, Mariana. Gestão de ativos intangíveis: da mensuração à competitividade por cenários. São Paulo: Atlas, 2010.

FONSECA, Fernando José. Da nanotecnologia à eletrônica molecular. 2010. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAABF8AAA/nanotecnologia-a-eletronica-molecular#. Acesso em: 12-02-2011.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Pedidos de patentes sobre nanotecnologia, nanobiotecnologia, nanomateriais, MENS, NEMS e nanofluidos, nanomateriais eletroquímicos e nanoagricultura. Rio de Janeiro, 2009a, alerta tecnológico; 2009b, alerta tecnológico n°. 11; 2010a, alerta tecnológico n°. 20; 2010b, alerta tecnológico n°. 29; 2011a, alerta tecnológico n°. 40; 2011b, alerta tecnológico n°. 51; 2010c, alerta tecnológico n°. 18; 2010d, alerta tecnológico n°. 27; 2011c, alerta tecnológico n°. 38; 2011d, alerta tecnológico n°. 49; 2012a, alerta tecnológico n°. 60; 2012b, alerta tecnológico nº 63; 2012c, alerta tecnológico nº 65 e 2012d, alerta tecnológico nº 64. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/informacao/alertas-tecnologicos e http://www.inpi.gov.br/alertas-anteriores.zip. Acesso em: 14-04-2013.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Cenário Mundial do Patenteamento em Nanobiotecnologia de 2000 a 2008. Rio de Janeiro, 2012b. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/informacao/arquivos/nanobiotecnologia_estudo_verso_final.pdf. Acesso em: 10-10-2013.

JOACHIM, Christian; PLÉVERT, Laurence. Nanociências: A Revolução do Invisível. Rio de Janeiro: Zahar, 2009. Disponível em (resumo): http://zahar2.tempsite.ws/doc/t1244.pdf. Acesso em: 20-08-2010.

KONDO, E. K. Desenvolvendo indicadores estratégicos em ciência e tecnologia: as principais questões. Ciência da Informação, Brasília, DF, v.27, n. 2, p. 128-133, maio/ago, 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v27n2/2729804.pdf e http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/793/823. Acesso em: 21-04-2012.

MARTINS, Paulo Roberto. Nanotecnologia, sociedade e meio ambiente. São Paulo: Xamã, 2005. Disponível em: http://www.ghente.org/publicacoes/nanotecnologia_sociedade_meio_ambiente_II.pdf e http://nanotecnologiadoavesso.org/sites/default/files/LIVRO%20III%20SEMINANOSOMA.pdf. Acesso em: 11-02-2012.

NORDBERG, Ana Rita Nogueira de Sousa Branquinho. Nanotechnology Patents in Europe: Patentability Exclusions and Exceptions. 2009. 156 f. Dissertação (Mestrado em Direito)-Faculty of Law, Stockholm University, Stockholm, 2009. Disponível em: http://www.juridicum.su.se/juruppsatser/2010/ht_2010_Ana_Rita_Nogueira_de_Sousa_Branquinho_Nordberg.pdf. Acesso em: 15-05-2011.

OCDE. ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. CE-Eurostat. Manual de Oslo: Princípios Básicos Propuestos para La Recopilación de Dados Sobre Innovación Tecnológica. In: MARTINEZ, Eduardo; ALBORNOZ, Mário. Indicadores de Ciencia y Tecnología: estado del art y perspectivas. Caracas, Venezuela: Nueva Sociedad. UNESCO, 1998, p. 159.

OCDE. ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual Frascati: Medição de Atividades Cientificas e Tecnológicas. João Pessoa: CNPq – IBICT. 1978. 150p (Cadernos de Informação em Ciência e Tecnologia, n.2).

OCDE. ORGANIZAÇÃO DE COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. OECD Patent Statistics Manual, França: s.ed., 2009. 162p. ISBN 978-92-64-05412-7.

PASCHOALINO, Matheus P; Marcone, Glauciene P. S; Jardim, Wilson F. Os nanomateriais e a questão ambiental. Quim. Nova, Vol. 33, No. 2, 421-430, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/qn/v33n2/33.pdf. Acesso em: 12-06-2012.

SAVIOTTI, Pier Paolo. The Knowledge-base of the firm in Biotechnology Based Sector: Properties and Performance. Revista Brasileira de Inovação, FINEP. Brasil, 2004. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/47674433_The_Knowledge-Base_of_the_Firm_in_Biotechnology_Based_Sectors_Properties_and_Performance. Acesso em: 10-11-2013.

SCHELLEKENS, Maurice. Patenting Nanotechnology in Europe: Making a Good Start? An Analysis of Issues in Law and Regulation. The Journal of World Intellectual Property (2010), vol. 13, no. 1, pp. 47–76. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1747-1796.2009.00388.x/abstract. Acesso em: 16-09-2012.

SIMON, Françoise; KOTLER, Philip. A construção de Biomarcas Globais – Levando a Biotecnologia ao mercado. Trad. Bazán Tecnologia e Linguística. Porto Alegre: Bookman, 2004. Disponível em: https://lestutur.firebaseapp.com/44/A-Constru%C3%A7%C3%A3o-de-Biomarcas-Globais-Levando-a-Biotecnologia-ao-Mercado.pdf. Acesso em: 17-09-2012.

TAN, Pang-Ning; STEINBACH, Michael; KUMAR, Vipin. Introdução ao DATAMINING - Mineração de Dados. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna, 2009.

VITORINO, Alex; ALVARENGA, Fabíola de Oliveira; MENEGHIN, Rogério Almeida. Sistema Informacional para Modelagem de Indicadores de Patentes em Nanotecnologia. In: III ENCONTRO ACADÊMICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO, 2010, Rio de Janeiro. Anais do III ENAPID: Rio de Janeiro, 2010, p. 106-108. Disponível em: http://www.i7h.com.br/arquivos/III_ENAPID_2010_PREMIO.pdf. Acesso em: 01-03-2014.

WIPO. WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. World Intellectual Property Indicators, 2009 Edition. Disponível em: http://www.wipo.int/freepublications/en/intproperty/941/wipo_pub_941.pdf. Acesso em: 20-03-2012.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v8i3.1269

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com