Prospection of technologies related to metal biosorption process

Ellen Cristine Giese

Resumo


A biossorção consiste em um processo biológico de retenção, remoção ou recuperação de metais ou outros compostos presentes em soluções aquosas, através de adsorção passiva ou complexação com sítios ativos presentes em diferentes materiais utilizados como biossorventes. O desenvolvimento de processos de biossorção tem apresentado considerável destaque nos últimos anos principalmente para aplicação em processos de tratamento de efluentes assim como em processos de recuperação de metais preciosos. Considerando a importância do processo de biossorção em áreas diversas, o objetivo deste trabalho foi avaliara evolução das inovações tecnológicas através da análise das patentes depositadas na base de dados daOrganização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI).Entre os anos de 1973 e 2015, 39 patentes foram depositadas na Patenstcope, com destaque para os pedidos de proteção nos Estados Unidos, China, República da Coréia, Alemanha, Rússia, Canadá, Reino Unido e Portugal. As principais áreas de destaque em tecnologias correlatas foram as tecnologias desenvolvidas para o tratamento de água, de águas residuais, de esgotos ou de lamas e lodos; assim como o desenvolvimento de processos químicos e o uso de micro-organismos. Em comparação com o número de artigos publicados relacionados ao tema nos últimos vinte anos, ficou evidente que as inovações biotecnológicas envolvendo a biossorção de metais não têm sido protegidas por patentes apesar das mesmas também serem consideradas um produto acadêmico.


Texto completo:

PDF

Referências


AKSU, Z. Biosorption of reactive dyes by dried activated sludge: equilibrium and kinetic modelling. Biochemical Engineering Journal, v. 7, n. 1, p. 79-84, 2001.

BROFMAN, P. R. A importância das publicações científicas. Cogitare Enfermagem, v. 17, n. 3, jul./set. p. 419-421, 2012. Disponível em: . Acessado em: 29 de setembro de 2016.

COVIZZI, L. G.; GIESE, E. C.; GOMES, E.; DEKKER, R. F. H.; DA SILVA, R. Imobilização de células microbianas e suas aplicações biotecnológicas. Semina: Ciências Exatas e Tecnológicas, v. 28, n. 2, p. 143-160, 2007.

DANKO, A. S.; GUNSCH, C. K. Utilização de biofilmes na biorremediação. In: AZEVEDO, N. F.; CERCA, N. Biofilmes na saúde, no ambiente, na indústria. Volume 1. Publindústria: Portugal, p. 107-114, 2012.

DAS, N. Recovery of precious metals through biosorption - a review. Hydrometallurgy, v. 103, n. 1, p. 180-189, 2010.

FARIA, L. I. L.; GREGOLIN, J. A. R.; HOFFMANN, W. A. M.; QUONIAM, L.; NOBRE, C. A.; CÉSAR, C. L.; GALEMBECK, F.; SOUZA, G. M.; DAL POZ, M. E. S.; CESAR, G. A.; CARTAXO, I. M. C. Capítulo 4 – Análise da produção científica a partir de publicações em periódicos especializados. In: BRENTANI, R. R.; CRUZ, C. H. B. Indicadores de ciência, tecnologia e inovação em São Paulo 2010. Volume 1. FAPESP: São Paulo, p. 4-7-4-68, 2011. Disponível em: . Acessado em: 02 de fevereiro de 2017.

FEDERMAN, S. R. Publicar ou depositar a patente? Conhecimento & Inovação [online], v. 6, n. 1, p. 48-49, 2010. Disponível em: < http://inovacao.scielo.br/pdf/cinov/v6n1/17.pdf>. Acessado em: 26 de janeiro de 2016.

GARCIA JR., O.; BEVILAQUA, D. Microrganismos, minerais e metais. In: MELO, I. S.; AZEVEDO, J. L. Microbiologia ambiental. 2ª edição. Embrapa Meio Ambiente: Jaguariúna, p. 49-81, 2008.

GIESE, E. C. Biofilmes: a interação micro-organismo/substrato mineral na biolixiviação. 1ª edição. Série Tecnologia Ambiental CETEM: Rio de Janeiro, 41p., 2014.

GIESE, E. C. Biocatalisadores imobilizados: Prospecção de inovações tecnológicas na última década. Revista GEINTEC: gestão, inovação e tecnologias, v. 5, p. 2296-2307, 2015a.

GIESE, E. C. Potencial biotecnológico do uso de micro-organismos imobilizados em gel de alginato de cálcio. 1ª edição. Série Tecnologia Ambiental CETEM: Rio de Janeiro, 49p., 2015b.

GIESE, E. C.; MAGALHÃES, D. P.; EGLER, S. C. Biossorção de elementos de terras-raras. 1ª edição. Série Tecnologia Ambiental CETEM: Rio de Janeiro, 75p., 2016.

LEITE, R. C. C. Michelangelo, Da Vinci e a inovação. Ciência e Cultura, v. 68, n. 3, p. 58-59, 2016.

MATOS, M.; PEIXOTO, L.; NOGUEIRA, R. Biofilmes nas estações de tratamento de águas residuais. In: AZEVEDO, N. F.; CERCA, N. Biofilmes na saúde, no ambiente, na indústria. Volume 1. Publindústria: Portugal, p. 189-199, 2012.

NASCIMENTO, J. M.; LEITE, S. G. F.; RIZZO, A. C. L. Estudo da remoção do íon cobre por meio de biossorção usando biomassa de levedura (Saccharomyces cerevisiae). Série Tecnologia Ambiental CETEM: Rio de Janeiro, 50p., 2016.

PATENTSCOPE. Disponível em: . Acessado em: 26 de janeiro de 2016.

PEREIRA JR., A. A publicação científica na atualidade. Jornal Vascular Brasileiro, v. 7, n. 4, p. 307-308, 2007.

Publicação Oficial Classificação Internacional de Patentes (IPC). Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). Versão 2014.1. Disponível em: . Acessado em: 26 de janeiro de 2016.

RIGHETTI, S. Brasil cresce em produção científica, mas índice de qualidade cai. 2013. Disponível em: . Acessado em: 02 de fevereiro de 2017.

SILVAS, F. P. C.; BUZZ, D. C.; ESPINOSA, D. C. R.; TENÓRIO, J. A. S. Biossorção de metais presentes na DAM utilizando Rhodococcus opacus. Revista Escola de Minas, v. 64, n. 4, p. 487-492, 2011.

SOUZA, T. A.; OLIVEIRA, D. D.; SALES, E. M. Prospecção tecnológica: moléculas bioativas derivadas de produtos naturais. Revista GEINTEC, v. 3, n. 5, p.148-154, 2013.

Tratado de Cooperação em matéria de Patentes (PCT). Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). Disponível em: . Acessado em: 26 de janeiro de 2016.

TUNALI, S., AKAR, T. Chromium (VI) biosorption characteristics of Neurospora crassa fungal biomass. Minerals Engineering, v. 18, p. 681-689, 2005.

VOLESKY, B. Biosorption of heavy metals. Boca Raton: CRC press. 403 p., 1990.




DOI: https://doi.org/10.7198/geintec.v9i3.1095

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

__________________________________

ISSN: 2237-0722

A REVISTA GEINTEC possui D.O.I e está cadastrada nos sistemas:

Os trabalhos da Revista GEINTEC - Gestão, Inovação e Tecnologias de www.revistageintec.net está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons

Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual - Aracaju/SE. Universidade Federal de Sergipe. Cidade Universitária Prof. "José Aloísio de Campos" 

Av. Marechal Rondon, s/n Jardim Rosa Elze - Pólo de Pós-Graduação - Sala 8 - CEP 49100-000 - São Cristóvão/SE. revistageintec@gmail.com